S e p a r a r  o  t r i g o  d o  j o i o
     

  
Livraria | Software Finbolsa | Slide show Finbolsa | MetaStock 11 | Cotações por Email

Mapa do site

Curso Online | Loja Finbolsa | Tour Histórico | Links | FAQ

< Homepage | Contactos

  
Painel de Empresa
O essencial para avaliar uma empresa
Tendências
Gráficos de curto e longo prazo de índices/acções
Navegação Histórica
Portugal desde 1983
Espanha desde 1986
Dow 30 desde 1900!
Cotações fim-de-dia
Para 10 mercados e índices
Masterlist essencial
PER, PCF, PBV, Div. Yield e outros rácios essenciais
Análises e Artigos
Análises por empresa
Análises desvinculadas
Artigos desvinculados
An. e Art. mais recentes

Balanços
Balanços e Dem. Res.
Dados Económico Fin.
Dados Trimestrais

Rácios
Económico Financeiros
Económico Bolsistas
Bolsistas

Tabelas Comparativas com exemplos
V.Nominal, NºAcções
Lucros Corrig. e Prev.
Res., C.Flow Operac.
Vendas, S.Líquida
Aut.Fin., Rent., Margem
Lucro/Ac, Div/Ac, Prod.
C.B., E.V., EV/EBITDA
High, Low, YtoDate
Volati., Beta, Intraday

  
Participe na Competição Global!
  
  
TOUR HISTÓRICO PELA BOLSA PORTUGUESA

Outubro de 1987 a Outubro de 1988 - O Maior Crash da Bolsa Nacional

O golpe fatal vem em 20 de Outubro, não com a frase de Cavaco, como às vezes se diz, mas com o crash em Nova Iorque (o Dow Jones cai de 2700 para 1700 em poucos dias, descendo 500 pontos só no dia 19 de Outubro). Cheguei à Bolsa no dia 20, sabendo o que acontecera ao Dow Jones, e percebendo perfeitamente as consequências. Quando entrei, a sessão ainda não tinha começado. As pessoas comentavam nervosamente o evento da véspera. Diziam que "cá era diferente", não ia acontecer nenhuma grande descida, mas o nervosismo traía-as. Os rostos crispados fizeram-me compreender que estava tudo perdido antes de a sessão abrir. Nesse dia, houve também uma ameaça de bomba no edifício da Bolsa, o que deve ser interpretado como uma tentativa deliberada de instalar o pânico (não foi preciso, ele já estava instalado) por parte de algum grupo de investidores interessados em tomar posições compradoras (que doidos!).

As cotações começam a descer 5% por dia (o máximo permitido; essa regra absurda não ajudou o mercado em nada, nem impediu o crash minimamente, apenas reduziu a liquidez), e mantêm-se assim durante 3 semanas, acumulando uma quebra de cerca de 50%. A partir daí, a Bolsa não se recomporá até meados de 1989. Ainda haverá um ensaio de recuperação em Dezembro (o 2º ombro de uma formação cabeça e ombros, perfeitamente visível em 1987) mas sem continuidade. É nessa altura que os espertos deslocam o seu dinheiro maciçamente para o imobiliário, que já subira fortemente até aí, mas continuará alguns anos mais em alta. As obrigações também foram, nesse momento, uma excelente aplicação pois, de 1987 a 1990, renderam à volta de 15% ao ano, enquanto as acções sofriam grandes perdas. Veja aqui o gráfico do crash.




O ano 1988 é passado só a descer, diminuindo o índice cerca de 75% em valor desde o ponto mais alto de 1987. Note as sucessivas rampas descendentes com rebounds pelo meio, cada vez mais espaçadas (11-11-87, 23-12-87, 25-2-88 e 17-5-88), que tanto se assemelham às ocorridas durante o colapso do Nasdaq em 2000. O máximo do pessimismo atinge-se em 19 de Outubro, precisamente um ano depois do crash. Uma tendência baixista persistente nos dois meses anteriores provoca um acentuar da descida durante uns dias, seguida de uma alta súbita. Essa formação é a exaustão de vendas, os últimos pessimistas vendem por estarem fartos de, após um ano, verem tudo a cair. Este é um padrão bem descrito por André Kostolany em Bolsa - A Grande Aventura. Ele salienta que, nessa fase em que o pessimismo atinge o clímax, "as cotações caem como as folhas no Outono" (é curioso Kostolany use essa metáfora e que tantos crashs, mini-crashs e exaustões de vendas se verifiquem, de facto, em Outubro...). Este movimento é interpretado por alguns especialistas como um sinal de recuperação e começa um movimento de ligeira alta até ao fim do ano.

1988 é um ano em que o mercado se desenvolve. Aparecem ainda mais empresas na Bolsa, totalizando umas 200. As mais interessantes admitidas em 1988 e 1989: Sumolis, Cin, Cerexport, Tertir, Locapor, Corticeira, Lusomundo, ITI, Cinca, Hotelagos, Tâmega, BCI, Citibank, C.P.Cobre, Interlog, Soponata, Modelo, Unicer, Soporcel, Cires, BTA, Jerónimo Martins, BCI, BIC, Lameirinho. As primeiras privatizações ocorrem só em 1989: Unicer e BTA.

A Bolsa passa a ser objecto de muitas páginas em publicações periódicas e de programas de televisão, talvez ainda mais do que em 1987. Novos jornais e revistas de informação afirmam-se. A modernização da banca e dos seguros prossegue, procurando os bancos públicos imitar o sucesso do recém-nascido BCP, do BPI e da CISF. É também um período de reformulação dos valores da própria sociedade. Os Portugueses esquecem Che Guevara, Allende, Lenine, o rumo ao socialismo, o marxismo, e passam a admirar Belmiro de Azevedo, Américo Amorim, Bill Gates, Mário Conde, George Soros, descobrindo, ao mesmo tempo, as virtudes do leasing, factoring, private-banking, franchising, benchmarking, downsizing e outros ings. Os jovens licenciados esquecem a guitarra, aparam a barba e passam a dedicar mais atenção ao cartão de crédito e a andar imberbes e de gravata.

É notável que os lucros das empresas aumentam fortemente de 1987 a 1989. Os lucros de 1988 são, em média, 30% superiores aos de 1987, como anuncia na altura o Semanário Económico. Os dividendos aumentam, mas as cotações continuam sem subir devido à falta de confiança.

(Anterior: Janeiro a Outubro de 1987 - A Louca Cavalgada)

(Seguinte: 1989 - Renasce a Esperança)