S e p a r a r  o  t r i g o  d o  j o i o
     

  
Livraria | Software Finbolsa | Slide show Finbolsa | MetaStock 11 | Cotações por Email

Mapa do site

Curso Online | Loja Finbolsa | Tour Histórico | Links | FAQ

< Homepage | Contactos

  
Painel de Empresa
O essencial para avaliar uma empresa
Tendências
Gráficos de curto e longo prazo de índices/acções
Navegação Histórica
Portugal desde 1983
Espanha desde 1986
Dow 30 desde 1900!
Cotações fim-de-dia
Para 10 mercados e índices
Masterlist essencial
PER, PCF, PBV, Div. Yield e outros rácios essenciais
Análises e Artigos
Análises por empresa
Análises desvinculadas
Artigos desvinculados
An. e Art. mais recentes

Balanços
Balanços e Dem. Res.
Dados Económico Fin.
Dados Trimestrais

Rácios
Económico Financeiros
Económico Bolsistas
Bolsistas

Tabelas Comparativas com exemplos
V.Nominal, NºAcções
Lucros Corrig. e Prev.
Res., C.Flow Operac.
Vendas, S.Líquida
Aut.Fin., Rent., Margem
Lucro/Ac, Div/Ac, Prod.
C.B., E.V., EV/EBITDA
High, Low, YtoDate
Volati., Beta, Intraday

  
Participe na Competição Global!
  
  
TOUR HISTÓRICO PELA BOLSA PORTUGUESA

1991 e 1992 - Demolição Lenta da Bolsa

A partir de Março, concluída a guerra, as pessoas voltam-se novamente para a economia e não pressentem nada de bom. A descida recomeça e o ano de 1991 termina com perdas de 6%, apesar da subida de 20% entre Janeiro e Março. Note o resvalar contínuo das cotações entre Março e Janeiro de 1992. Note o pequeno mini-crash de Agosto, relacionado com a tentativa de golpe de estado na Rússia, logo recuperado depois da derrota dos golpistas e da ascensão ao poder de Ieltsin.




Entre 1990 e 1993, o processo de privatizações acelera o que traz novas blue-chips para a Bolsa: Centralcer, BPA, BES, BCM, Tranquilidade, Mundial Confiança, Império, CPP, BM (na altura UBP). Outras interessantes a entrar: Barbosa & Almeida, Continente, Banif. Falências sucessivas afastam dezenas de pequenas empresas da Bolsa, sobretudo têxteis, alimentares, construtoras e comerciais.

O ano de 1992 começa com grandes expectativas, pois as taxas de juro começam a descer, embora timidamente. Tavares Moreira prevê a descida das taxas com meses de antecedência. É a integração crescente com a Europa que força esse aproximar das taxas portuguesas às europeias, num processo que só ficará concluído anos mais tarde, com a entrada no Euro. Devido à queda das taxas, muitos investidores esperam uma subida em força da Bolsa mas, em vez disso, só acontece uma fraca recuperação até Abril de 1992, destroçada logo a seguir. Veja como as cotações caem, dramaticamente (a expressão é de Pedro Caldeira, cuja corretora, ao fechar neste ano envolta num escândalo, lança ainda mais desolação no mercado), uns 18% até Outubro, para estabilizarem depois.




As descidas do índice Global (programa Finbolsa) são de 22%, 8% e 17%, respectivamente em 1990, 1991 e 1992. Se se tiver em conta que os detentores de obrigações ganharam, durante esse período, uns 14% ao ano, compreende-se o ruinoso efeito que esses três anos produziram nos que continuaram expostos ao mercado accionista.

Os anos de 1990, 1991 e 1992 trazem uma nova realidade à Bolsa, que poucos julgariam possível nos gloriosos anos 80: a falência, uma após outra, de dezenas de empresas cotadas. Alguns casos tornam-se famosos, como a Fnacinveste, a Amadeu Gaudêncio e a Somec. Na maioria das vezes, as acções descem para 200 ou 100 escudos e ficam sem se transaccionar durante anos. Esta é uma das causas da diminuição do número de empresas cotadas no mercado oficial. Outra é o caso oposto: as boas empresas, as que sobreviveram à crise, vão sendo alvo de sucessivas OPA's lançadas pelos accionistas maioritários, que as retiram do mercado. Os pequenos investidores acabam por ter que vender, devido a uma lei vergonhosa e anti-constitucional, que dá o direito a um maioritário com mais de 90% a adquirir compulsivamente as restantes acções, a um preço determinado por avaliações muitas vezes por ele encomendadas.

Finalmente uma tendência contrária e muito positiva de aumento da "biodiversidade" da Bolsa são as privatizações, que não cessam desde 1989. Os principais bancos, seguradoras e outras grandes empresas voltam à Bolsa depois de décadas de ausência.

(Anterior: 1990 e 1991 - A Crise do Golfo)

(Seguinte: 1993 - Recuperação Fulgurante)