S e p a r a r  o  t r i g o  d o  j o i o
     

  
Livraria | Software Finbolsa | Slide show Finbolsa | MetaStock 11 | Cotações por Email

Mapa do site

Curso Online | Loja Finbolsa | Tour Histórico | Links | FAQ

< Homepage | Contactos

  
Painel de Empresa
O essencial para avaliar uma empresa
Tendências
Gráficos de curto e longo prazo de índices/acções
Navegação Histórica
Portugal desde 1983
Espanha desde 1986
Dow 30 desde 1900!
Cotações fim-de-dia
Para 10 mercados e índices
Masterlist essencial
PER, PCF, PBV, Div. Yield e outros rácios essenciais
Análises e Artigos
Análises por empresa
Análises desvinculadas
Artigos desvinculados
An. e Art. mais recentes

Balanços
Balanços e Dem. Res.
Dados Económico Fin.
Dados Trimestrais

Rácios
Económico Financeiros
Económico Bolsistas
Bolsistas

Tabelas Comparativas com exemplos
V.Nominal, NºAcções
Lucros Corrig. e Prev.
Res., C.Flow Operac.
Vendas, S.Líquida
Aut.Fin., Rent., Margem
Lucro/Ac, Div/Ac, Prod.
C.B., E.V., EV/EBITDA
High, Low, YtoDate
Volati., Beta, Intraday

  
Participe na Competição Global!
  
  
TOUR HISTÓRICO PELA BOLSA PORTUGUESA

1996 - Bons Tempos Voltam Sustentados

1996 é um ano sem grande história, com uma subida gradual e sustentada de 35% do índice. As cotações vão aumentando, uns 0,2% por dia, sem pressas e sem mini-crashes pelo meio. Veja a evolução do BVL 30.




Há um forte efeito Janeiro em 1996, mas o ano é passado em lenta subida. Mais uma vez, trata-se de uma correcção técnica aos fundamentais muito baixos de fins de 1995. Note a consistência do lanço de subida, sem oscilações de maior. O que se passou foi um lento acumular de papel pelos fundos e grandes casas internacionais, devido aos bons fundamentais, baixas taxas de juro e previsão de entrada da Bolsa nacional no índice Morgan Stanley (que ocorreu em 1997). No fim do ano, parecia evidente que a alta estava para durar devido ao aspecto sustentado da subida e ao facto de ela ter sido menos rápida do que a de 1993.

As estrelas são as principais blue-chips: PT, Cimpor, Sonae, BCP, BPI, BES, Jerónimo Martins, Continente, mas não Portucel, nem BTA nem BPSM.

Nessa altura entra a Telecel na Bolsa. Muitos analistas acharam o preço da OPV (7 contos, menos de um terço do valor equivalente de hoje e menos de um sexto do que atingiram em 2000) muito caro, por ser 7 vezes o valor nominal e o PER ser muito alto... Não tiveram em conta o explosivo crescimento do mercado de telemóveis (na altura ainda no começo) que viria a ser sem paralelo em Portugal.

Note também um dia de correcção no início de Dezembro. Nesse dia, em pânico, alguns investidores venderam tudo (houve uma correcção internacional), antecipando um mau ano seguinte!

(Anterior: Abril de 1994 a Dezembro de 1995 - Resvalar Lento Exaspera)

(Seguinte: 1997 - Euforia na Bolsa da Globalização)